Espírito da Liberdade Canalizado na Nação Arco-Iris

25/07/2019

Espírito da Liberdade

Há exatos 230 anos, eclodiu na França uma revolução que mudaria drasticamente os rumos da história humana. Com nobres ideais em princípio, o povo relegado e esquecido, erguia a bandeira da soberania sob o lema de liberdade, igualdade e fraternidade. 

Com o passar do tempo, os ideais 

ganharam outros contornos e tudo aquilo que havia sido planejado no alto, foi corrompendo-se e rumando para destinos muito adversos dos primitivamente planejados, culminando com a Era do Terror, onde todos os sentimentos nobres deixaram de existir para ceder espaço aos derramamentos diários de sangue, e muitas lágrimas foram vertidas. Eram as trevas assumindo o controle das mentes ainda frágeis e vacilantes dos líderes daquele movimento. 

Aquele ciclo findou-se quase que dez anos após o seu início, e, mesmo com muita dor, a missão da revolução foi atingida e o mundo nunca mais seria o mesmo. Este movimento popular lançou grãos em todas as demais nações do planeta, que acabaram por acolher seus ideais mais nobres.
Hoje, o planeta vive uma era muito parecida com aqueles idos e distantes dias. Como os franceses do fim do século XVIII, a humanidade começa a despertar para novos conceitos e ideais. A nobreza e o clero daquela época, hoje estão personificados nos políticos e nas elites que comandam as indústrias e, que como naquela época, mantêm a massa humana restrita e debaixo de interesses puramente mesquinhos e egoístas. Pobre humanidade. Muitos de hoje na carne viveram avidamente os dias da Revolução Francesa. Alguns riram para depois chorar. Outros choraram e continuaram chorando. Muitos ainda, com as memórias daqueles tempos ainda latentes, parecem não terem absorvido as lições diante de tantas dores e sofrimentos.

O que hoje venho a dizer-lhes é que, começa-se a desenhar na psicosfera terrestre, um ambiente bastante propício e convidativo a grandes mudanças, diante de tanta luz e despertar que se faz presente, porêm, diferentemente de outrora, onde camponeses, pescadores, açougueiros, artesões e tantos outros pegaram em foices, hoje suas mãos devem estar nuas e, se ocupadas, que sejam apenas com os instrumentos do amor e da verdade! 

Atenção amados, grandes mudanças estão à caminho, mas saibam conduzi-las com amor e fraternidade. Lembrem-se de Jesus, que ao ser questionado ser Ele o filho de Deus, e por deter poderes sobre os céus e conseguir realizar milagres, po rquê não poderia Ele enviar exércitos de Deus para combater os romanos que tanto oprimiam o povo judeu? Valendo-se de sua infinita misericórdia e mansuetude, Jesus simplesmente respondeu: "os romanos são conquistadores; conquistá-los não nos tornaria diferentes deles".

Assim, diante da perspectiva e da ansiedade pela verdade, que hoje é chama latente nas mentes de muitos de vocês, usem a espada do amor, o escudo da fé e o elmo da oração e da meditação. Não há poderes maiores que esses, nem mesmo o fio das frias lâminas de aço podem superar a força em seus interiores; e as portas da verdade e das bem aventuranças se abrirão, jamais pela força e pela violência, mas as chaves que as abrirão serão as chaves do amor e da oração; além, é claro, das atitudes, as quais devem ser sempre sadias, pois, se vocês não agirem para que as mudanças sejam implantadas, nada acontecerá. 

Ajam sempre no amor, no perdão, no dar mais que receber, nas mudanças de atitudes diante dos comportamentos hostis e agressivos. Grandes recompensas os aguardam. Construam um novo mundo. As ferramentas estão diante de vocês e em seus interiores. Mãos, mentes e corações ao trabalho.

Canalizado no agrupamento Nação Arco-Iris
www.nacaoarcoiris.com